Diferenças no Trabalho em Compliance LATAM e no Brasil

Você quer expandir seus conhecimentos para além das fronteiras e deseja atuar com Compliance LATAM? 

Então, será preciso não apenas entender o contexto do Compliance nessa região, como também ficar por dentro das diferenças e dos pontos que irá lidar no dia a dia de trabalho, a fim de tornar o programa efetivo.

O cenário do Compliance LATAM

Os países da América Latina contam com legislações nacionais de combate à corrupção, criadas em decorrência de escândalos que envolveram grandes empresas da região. Essas situações chamaram muita atenção, o que acabou sendo positivo, afinal, atraiu mais visibilidade para a área de Compliance, gerando até hoje progresso para as nações.

Analisando alguns cenários, podemos citar o Chile, que foi o primeiro país da região a estabelecer uma lei de combate à corrupção. Também podemos comentar sobre a Argentina, onde existe a Lei de Responsabilidade Penal Empresarial (Lei Nº 27.401). 

Trazendo para a nossa realidade, aqui no Brasil, podemos comentar sobre a Operação Lava Jato, que apesar de ser brasileira, repercutiu em outros países, já que trouxe à tona temas sensíveis que ganharam a mídia e ultrapassaram fronteiras.

É muito importante tratar desses assuntos e trazer clareza sobre eles, pois pode parecer que o cenário está piorando ao ganhar foco, mas dar ênfase a essas questões e levá-las ao conhecimento de todos, é uma forma de iniciar processos de melhoria. 

Ainda que demore, lidar com a corrupção pode ajudar a desenvolver o ambiente de negócios na América Latina e mundo afora. 

O que é essencial em um programa de Compliance LATAM?

Em geral, podemos dizer que a legislação anticorrupção da América Latina é parecida. Quando o assunto é a base dessa legislação, há uma grande similaridade e isso ocorre porque são democracias bastante jovens. 

Apesar de semelhantes, não podemos deixar de destacar que cada país conta com suas particularidades. Por isso, é tão importante entender as diferenças culturais de cada um dos locais para garantir a efetividade de qualquer programa de Compliance. 

O que é importante na adaptação de um programa de Compliance entre Brasil e LATAM?

Para implementar um programa Compliance LATAM é necessário ter clareza sobre pontos que você precisa desenvolver como um profissional da área, a fim de garantir a eficácia do processo.

O que é imprescindível:

Entender o foco da empresa e saber em quais países ela conta com atividades

Busque saber qual é o foco da empresa e quais são os países na América Latina nos quais essa organização está ativa. Este é um tópico relevante pois as diferenças culturais têm um grande impacto na forma como você vai implementar o programa de Compliance. 

Saiba quais são os países e estude a cultura, a língua e a legislação local para executar um bom trabalho.

Buscar conhecimentos aprofundados sobre a Lei Anticorrupção de cada local

Como já comentamos, a legislação anticorrupção da América Latina é inteira parecida, então você precisa conhecer a base da mesma. 

Mas é preciso ir além. O próximo passo é estudar com profundidade a legislação anticorrupção de cada um dos países para entender se existe algum ponto que demande fazer a adaptação do programa.

Contudo, tenha atenção em relação a essa adaptação. Avalie a real necessidade de aplicar mudanças no programa, pois o indicado é somente fazer adaptações que sejam extremamente necessárias. Isso porque um bom programa de Compliance é feito de uma maneira que não demande alterações para ser efetivo, independentemente da localidade. 

A nossa sugestão é que você faça adaptações que sejam pontuais, optando por não mudar a política básica (código de conduta). Existe a possibilidade de fazer um adendo ao ponto que você tem alguma especificidade para tratar em relação às localidades.

Ter fluência na língua local

É essencial para quem vai assumir o programa ser fluente na língua do local. Não pense que o espanhol adaptado, misturando com palavras em português, vai ser eficaz. Também é necessário buscar conhecimento sobre as expressões locais, já que a língua varia de uma região para outra, tanto em termos específicos, quanto em sotaque.

Existem algumas diferenças entre palavras e expressões em cada região, que podem impactar na hora da comunicação. Por exemplo, a palavra “propina”, na Argentina significa “gorjeta”, ou seja, o dinheiro que é dado como gentileza aos garçons. Para representar “suborno”, as pessoas utilizam a palavra “coima”. 

Essa é apenas uma situação, mas o profissional de compliance LATAM precisa ser fluente para evitar outros ruídos de comunicação, pois ele deve entender as pessoas, assim como deve ser compreendido. 

Aplicar treinamentos personalizados de acordo com cada localidade

Vimos que um bom programa de Compliance é melhor que não seja modificado. Quando o tópico são os treinamentos, existe a necessidade oposta. 

É importante realizar esses momentos de capacitação de forma personalizada para o local. Aqui sim, considere as experiências e os riscos locais para gerar clareza a todos.

Algumas mudanças podem atingir os países. Acompanhe constantemente o contexto local para tratar as especificidades nos treinamentos.

Estabelecer proximidade por meio da presença e recorrência de ações

Para trabalhar com Compliance LATAM, preferencialmente, o profissional deveria estar trabalhando no local, mas não é algo obrigatório e necessário para que o programa funcione. 

Porém, é importante manter a presença e a recorrência de treinamentos e ações. Se é o seu caso, mantenha uma agenda de comitês de Compliance mensais, aos quais poderão ser repassados à diretoria todos os desafios enfrentados — com a confidencialidade assegurada —, bem como as fragilidades e os próximos passos a serem executados. 

Serão momentos para também escutar a liderança local, o que vai gerar mais proximidade. Essa é uma forma inteligente de ter um programa efetivo, mesmo sem estar no local.

Afinal, quais as diferenças no trabalho em Compliance LATAM e no Brasil?

Por meio das informações compartilhadas, agora você já sabe que a base da legislação anticorrupção nos países da América Latina é bem parecida, por conta dos países serem democracias recentes. Mas também compreende que cada local conta com suas particularidades e algumas leis específicas, pontos que tocam nas diferenças do trabalho realizado no Brasil e nos demais países da região.

Para atuar na área, entenda mais sobre Compliance na América Latina, temos um material completo sobre o assunto. Além desse estudo, você também pode buscar mais conhecimento por meio do nosso curso de Compliance Anticorrupção, o que vai proporcionar a você mais habilidades técnicas para atuar na área com uma capacitação eficaz e mais autoconfiança. Dê o próximo passo profissional e ultrapasse fronteiras.

Imagem: Freepik

Nenhum comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.