Código de conduta ética: entenda 6 dicas para elaboração de um código de ética

Já não é novidade o quanto a corrupção e os comportamentos antiéticos têm comprometido a imagem de diversas empresas. Assim, não é por acaso que elas se preocupam em combater esse tipo de prática. Uma das formas mais eficazes de fazê-lo é com a instituição de um código de conduta ética.

Independentemente do porte da organização, um código é um dos primeiros passos para reforçar a cultura de integridade da empresa. Ele é essencial para garantir a transparência e o respeito às leis e normas no ambiente organizacional. Mas como criar um código de conduta que seja pertinente à realidade da empresa?

Pois bem, neste post, além de definir o conceito de conduta ética, mostraremos as vantagens de ter um código e daremos 6 dicas fundamentais de como criar um código de conduta adequado. Continue a leitura e saiba como implementar no seu negócio!

Conceito de código de conduta ética

O código de conduta ética é um documento que reúne todas as regras a serem seguidas pelos membros de uma organização e até terceiros, se a empresa não optar por ter um código específico para terceiros. É importante para estabelecer padrões de comportamento e formas de agir, de acordo com a missão, os valores e os objetivos da companhia.

Esse conjunto de normas se aplica a todos que fazem parte da empresa, desde os níveis hierárquicos mais baixos até a alta direção. Da mesma forma, também pode servir como base para as relações com clientes, fornecedores, parceiros, órgãos governamentais e outros stakeholders, fazendo parte da cultura organizacional.

Assim, serve como material de apoio e consulta para as ações das pessoas, de modo a norteá-las em relação ao que é aceito ou não pela organização.

É importante não só divulgar o código com frequência para os colaboradores, mas também treinar os colaboradores e novos colaboradores periodicamente sobre os principais temas do código., para que conheçam a cultura e as regras a serem seguidas na organização da qual vão fazer parte.

Principais objetivos do código de conduta ética no trabalho:

  • guiar as pessoas sobre a forma correta de agir;;
  • melhorar o relacionamento e o clima organizacional;
  • criar e aumentar a vantagem competitiva de maneira saudável;
  • elevar a produtividade e a qualidade das entregas;
  • integrar gestores e equipes;
  • fortalecer a imagem e consolidar a marca no mercado;
  • ter transparência nas negociações com fornecedores;
  • atrair, encantar e reter os clientes com práticas éticas.

Vantagens de adotar um código de conduta ética na empresa

A empresa que opta por desenvolver um código de conduta e se dedica a transmitir uma imagem de confiança e idoneidade sai à frente no mercado ao se tornar referência de boas práticas. Veja as principais vantagens da implementação!

Melhoria da imagem institucional

Quando uma empresa adota um código de conduta ética , ela demonstra às pessoas o quanto se preocupa com a integridade. Dessa forma, transmite uma imagem de transparência para todos os integrantes da sua rede de relacionamentos. Isso é ainda mais importante em um momento em que as mídias sociais são cada vez mais usadas. Afinal, qualquer problema interno pode tomar proporções bem maiores, sendo compartilhado por milhares de indivíduos.

Padronização dos relacionamentos

Dentro de uma organização, as pessoas costumam seguir o comportamento dos seus superiores. E, assim, a cultura, qualquer que seja ela, vai sendo passada adiante, independentemente de ser boa ou não.

Um código é importante para instituir o comportamento que é aceito pela corporação, definindo qual conduta é bem-vinda e deve ser adotada por todos. Além da padronização, a liderança pelo exemplo ético tende a melhorar a relação entre gestores e subordinados.

Muitas pessoas já agem eticamente no ambiente de trabalho, mas o código potencializa a importância de proceder corretamente diante de conflitos, impasses e processos.

O resultado é uma relação de respeito coletivo em que todos se reconhecem em um lugar de práticas comuns e alinhadas. Naturalmente, as pessoas que não compartilham dos valores da empresa se distanciarão e terão dificuldades de interagir com qualquer colaborador.

A criação do código de conduta abre oportunidade para a reflexão e mudança comportamental para aqueles que não querem deixar a empresa e sabem que, para permanecer, precisam reestruturar-se de dentro para fora.

Diagnóstico de desvio de conduta

Além de normatizar a conduta, um código de ética permite acompanhar, analisar e punir os desvios dentro da empresa. Ao aceitarem fazer parte dela, as pessoas devem ter consciência de que também estão concordando com as regras estabelecidas.

Portanto, o documento é um guia para determinar como o descumprimento das normas deve ser combatido, inclusive, servindo de exemplo para os demais integrantes da organização.

Cientes da conduta que a empresa espera de todos, os colaboradores já sabem como pensar e agir sem ferir os princípios estabelecidos. É um alinhamento normativo em que conhecem o que pode ou não fazer, que reflete no ambiente e no clima organizacional.

Segurança institucional

Consequentemente, um código de conduta também é um instrumento para dar mais segurança diante de situações de conflito. Isso, porque, quando surgirem problemas, a instituição e os colaboradores podem se basear no documento para se defenderem nas mais diversas situações.

É uma forma de garantir a imparcialidade e a transparência nas decisões. Em reuniões, negociações, planejamento de atividades e projetos será bem mais fácil conduzir as discussões com base no código para que as opiniões divergentes sejam equilibradas.

6 dicas de como elaborar um código de conduta ética no trabalho

Agora que você viu as vantagens de se adotar um código de conduta ética, queremos mostrar como elaborá-lo. Desde já, adiantamos que ele pode variar muito de acordo com a sua organização. Logo, as dicas servem apenas para orientar um dos bons caminhos para a confecção dele. Acompanhe!

1. Crie uma comissão para contribuir com a elaboração do código

O primeiro passo é selecionar as pessoas responsáveis pela elaboração do código. É recomendável que diversã o grupo seja diverso, formado por colaboradores de diferentes níveis hierárquicos, áreas de atuação e experiências.

No entanto, devem ser pessoas idôneas e, de fato, comprometidas com os valores da empresa. Dependendo do tamanho e dos processos dela, vale considerar a inclusão e a participação de um profissional de consultoria.

Em determinados momentos, alguém imparcial que não atue diretamente na empresa pode ter uma visão clara e ajudar a definir os critérios com mais facilidade.

Além disso, um profissional especializado que presta consultoria tem também a visão de outras empresas e pode contribuir com uma orientação mais técnica. Cada empresa apresenta um modo de ser, mas algumas especificidades são correlatas e auxiliam na formulação do código considerando esses precedentes.

2. Analise o conteúdo necessário

Formada a equipe, o grupo deve se encarregar de reunir o material necessário para a constituição do código. Para tanto, é necessário verificar o resultado da Avaliação de Riscos que a empresa realizou (este é o primeiro passo para a implementação de um Programa de Compliance e o Código de Ética deverá, além de reforçar os valores da empresa, servirá para mitigar alguns dos riscos verificados nesta avaliação). Também é interessante ouvir especialistas na área de compliance, advogados e outros profissionais.

Ainda, podem ser consultados códigos de conduta de outras companhias, como referência. Mas não caia na cilada do “copiar e colar”, pois cada companhia sustenta os seus próprios valores e possui riscos diferentes.

Não tenha pressa em criar o código de conduta ética — primeiro organize todo o material coletado, separe e ordene as informações similares, reunindo o grupo para um brainstorming.

3. Discuta o conteúdo com a equipe

Depois de feita uma boa pesquisa, é hora de determinar o que vai fazer parte do código. Afinal, nem tudo que se aplica a uma organização é pertinente a outra. O ideal é que a equipe discuta bastante todos os pontos, principalmente os mais polêmicos.

É a hora de considerar os diversos fatores que impõem comportamentos e determinar como serão alinhados dentro do código de conduta.

Tudo o que a empresa faz e acredita deve ser considerado, pois suas formas de atuação e de relacionamento serão comparadas ao código de conduta ética divulgado. É de extrema importância que a companhia aja de acordo com aquilo que defende.

4. Seja abrangente

Entenda que uma empresa não é formada apenas de seus gestores e funcionários, mas de clientes, parceiros, fornecedores, concorrentes e sociedades. As pessoas e as outras organizações são, direta ou indiretamente, corresponsáveis pela maneira como a sua empresa agirá dentro e fora das dependências.

Deseje criar um código de conduta ética que ultrapasse os limites do ambiente interno onde só os funcionários têm acesso e permita que os clientes conheçam mais sobre a sua empresa e como ela atua.

Para fornecedores e parceiros, a ciência do código pode tornar o relacionamento mais sólido e confiável. Aos concorrentes, impõe respeito e estimula a competitividade. É fundamental criar diferenciais que estejam além de preço e qualidade de produtos ou serviços.

Até mesmo os candidatos a alguma vaga disponível na sua empresa poderão analisar, antes de aceitar participar do processo, se estão de acordo com o código de conduta, facilitando o trabalho da equipe de RH ao reduzir o tempo dedicado à análise dos perfis selecionados.

5. Estruture e publique o código

Com o conteúdo definido, deve-se estruturar o código de conduta ética. Antes de publicá-lo, é sempre prudente contar com a revisão de um profissional de compliance.

Uma palavra ou uma expressão fora do lugar pode gerar entendimento equivocado e uma repercussão negativa, por isso é tão importante ter no grupo de trabalho profissionais que tenham familiaridade com o documento e enviar o código para a revisão de uma ou mais delas.

A publicação pode ser feita na Intranet ou em outro local de fácil acesso dos colaboradores, de modo permanente, disponibilizando cópias impressas em treinamentos ou setores mais sensíveis. Crie ações de tempos em tempos para manter acesa a chama do conduta ética.

6. Divulgue para toda a empresa

Por fim, chegou o momento de divulgar o código de conduta ética. Afinal, de nada adianta criar um, se ele não for difundido e aceito por toda a organização. Para tanto, é importante realizar uma campanha completa de endomarketing e comunicação interna.

Não apenas divulgue o documento, mas demonstre a importância prática dele para todos. Além disso, alguns pontos devem ser reforçados periodicamente em treinamentos, ressaltando a necessidade de se respeitar essas regras.

Ele deve ser apresentado com clareza e segurança para que todos entendam que se trata de um documento importante e, a partir da sua divulgação, ações que não estejam em conformidade com o seu conteúdo são passíveis de penalidades.

Por outro lado, não se deve ressaltar apenas aquilo intolerável, mas ressignificar o que já é praticado e exaltar aqueles que, mesmo sem um documento formalizado, já caminham sintonizados à cultura da empresa.

Eles serão os multiplicadores daquilo que acreditam e ajudarão a tornar pública alguma ocorrência que estiver em desacordo com o previsto no código. Pessoas éticas não compactuam com a ideia de que devem se omitir diante de comportamentos antiéticos.

O fato é que um código de conduta ética não deve ser tido apenas como um ideal a ser seguido. É preciso colocá-lo em prática e respeitá-lo constantemente, como um excelente mecanismo para auxiliar no cumprimento das leis e na manutenção da integridade e da segurança de toda a organização.

Gostou de saber como fazer um código de conduta ética e quer conferir mais dicas exclusivas como essas? Então, que tal assinar a nossa newsletter e receber a Compliance News semanalmente!

Nenhum comentário

Publicar um comentário