7 PASSOS PARA MUDAR DE CARREIRA E INGRESSAR NA ÁREA DE COMPLIANCE

A transição de carreira pode ser desafiadora, mas também muito gratificante. Faça de tudo para aproveitá-la da melhor forma possível. 

Sabemos que para mudar de carreira você precisa estar disposto a muito estudo. Transformações não são fáceis para ninguém, sempre envolvem dedicação para superar desafios.

Em primeiro lugar, você deve se planejar. Não faça nada às cegas. Planejamento significa pensar e agir de forma coordenada. Planeje seu ponto de partida e onde você quer chegar, quais são os passos necessários, cursos, especializações e qual investimento deve pautar o seu plano. Organize suas ações em um cronograma, que servirá de instrumento norteador de sua evolução.

Estamos aqui para te ajudar. Se você deseja ingressar na área de Compliance, este material apresentará alguns passos essenciais para que a sua transição de carreira aconteça da melhor maneira.

 

1. O que você sabe sobre a atuação do Compliance Officer?

Entenda o contexto empresarial que originou essa profissão e em que problemas o Compliance Officer se propõe a atuar.

De acordo com Amanda Seymour, monitora do Curso de Compliance Anticorrupção, primeiro você precisa procurar cursos e especializações que falem do Compliance de maneira ampla, no seu conceito básico. Após este passo, você poderá se especializar num segmento específico. Vale lembrar que uma das coisas mais interessantes de se trabalhar na área de Compliance é ter a oportunidade de entender sobre diferentes mercados e segmentos.

Daniel Sibille, Coordenador do Curso de Compliance Anticorrupção, destaca a necessidade de adquirir, antes de tudo, conhecimentos técnicos na área.

Fato é que se aprende muito mais na prática do que em qualquer curso teórico, mas para ser capaz de entender o escopo e amplitude de uma área de Compliance é fundamental entender, ao menos, os pilares estruturantes de um programa. 

De modo geral, o setor de Compliance executa tarefas como:

  • Preparar e otimizar um código de conduta;
  • Mapear riscos e procedimentos da empresa;
  • Definir ações que promovam transparências nos processos empresariais;
  • Monitorar regulamentos e atividades em conformidade com a legislação;
  • Fortalecer as rotinas de inspeção e fiscalização do trabalho;
  • Definir canais internos de denúncia, para que seja possível o reporte da prática de condutas contrárias às regras da empresa;
  • Analisar os riscos operacionais;
  • Trabalhar na cultura organizacional, estimulando um comportamento íntegro entre líderes e colaboradores;
  • Manter a boa reputação da empresa diante das mídias e do público.

O código de conduta ou código de ética é o documento que rege a empresa. Nele, estarão contidas as regras de convivência na empresa, bem como qual é o comportamento esperado de seus colaboradores. 

Quando desvios de conduta são praticados, podem ser aplicadas punições para coibir a continuidade de tais práticas. Porém, o ideal é que a existência de um código de conduta já seja suficiente para motivar o bom comportamento de todos.

Mesmo com sanções administrativas, é possível manter um equilíbrio nas relações humanas dentro da empresa e fora dela, torna-se desnecessário recorrer à Justiça.

 

2. Autoavaliação

André Nascimento, monitor do Curso de Compliance Anticorrupção, sugere que o profissional dedique um tempo para um exercício de autoavaliação. A análise de SWOT – Strenths, Weaknesses, Opportunities, Threats é uma ferramenta útil, pois vai te ajudar a reconhecer suas forças, oportunidades, fraqueza e ameaças. Reflita sobre suas características e competências procurando:

  1. Elencar as ações para superar suas fraquezas e ameaças e para otimizar suas forças e oportunidades;
  2. Avaliar quais recursos serão necessários para tanto e;
  3. Avaliar os custos, não apenas financeiros, mas tempo e dedicação.

 

3. Conheça e entenda as empresas que estão no mercado de atuação

Existem algumas frentes na área de Compliance, como a financeira, a ambiental, anticorrupção, a tributária, entre outras. 

Com o planejamento, você poderá definir o segmento de mercado em que irá atuar. Um Compliance Officer deve compreender todas as normas e regulamentos que incidem sobre as empresas que atuam no seu segmento de mercado.

Segundo André Nascimento, a partir daí, terá insumos para identificar as empresas que compõem sua área de atuação. Levante dados e informações sobre essas empresas, identifique processos de contratação e outras formas de se apresentar para elas.

 

4. Como está a sua Network? 

É importante direcionar sua network para o segmento de mercado que você pretende atuar e ampliá-lo e traçar estratégias de como contatar líderes.

Acompanhe o dia a dia desses profissionais. Uma dica dada pela Amanda Seymour é utilizar o Linkedin como um aliado. Ele é uma ferramenta que te permite entrar em contato com essas pessoas e ver como eles se posicionam profissionalmente. 

 

5. O Compliance Officer deve reunir algumas habilidades especiais

Os skills pessoais, ou soft skills, também são importantes na transição de carreira. As habilidades pessoais definem o comportamento da pessoa e como este influi em seu trabalho. 

É impossível separar o profissional do indivíduo, pois ele não é uma máquina. Marcella de Bem, monitora do Curso de Compliance Anticorrupção salienta que muitas qualidades pessoais podem ser aproveitadas nas atividades de compliance, como a boa comunicação, a inteligência emocional, a adaptabilidade, a capacidade de liderança e, principalmente, a organização e a atenção aos detalhes. 

Muitos destes skills são naturais, mas podem ser desenvolvidos/aprimorados. Existem algumas  formas de desenvolver essas habilidades adormecidas dentro de você, como estímulos externos (treinamentos, cursos) que irão despertá-las, para que você possa utiliza-las no seu dia a dia de trabalho, na área de Compliance.

 

6. O conhecimento da língua inglesa e outros idiomas facilita a transição

Daniel Sibille ratifica esse ponto. Todos sabemos da importância de conhecer, pelo menos em nível básico, alguma língua estrangeira (como Inglês ou Espanhol).

Mas, no caso de um profissional de Compliance, o idioma Inglês é essencial. Isso porque a principal fonte de informações e materiais de estudo utilizados como referência sobre Compliance ainda vem dos Estados Unidos e Reino Unido. 

 

7. O Desenvolvimento de uma boa comunicação

Uma boa comunicação está associada à oratória. Fazer um curso de oratória poderá te ajudar a se expressar melhor. Segundo Marcella de Bem, a transição de carreira para a área de Compliance pede que você desenvolva sua capacidade de falar bem, que você seja um bom orador, uma vez que no dia a dia de suas atividades, o profissional de Compliance dialoga tanto com a alta liderança, como com os demais colaboradores. Nessa tarefa, é importante conseguir expor os seus pensamentos aos demais colaboradores, especialmente se você estiver ocupando um cargo de liderança.

Muitas vezes você pode estar com a razão mas, dependendo da forma como você se posiciona ou se comunica, o seu discurso poderá perder a credibilidade.

O Compliance é uma tendência muito forte. E nós estamos aqui para fortalecer seu conhecimento e facilitar a sua jornada.

Imagem: Freepik

Nenhum comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.